Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Doce Cafeína

Doce Cafeína

30
Set21

ai senhores (as)

Cafeína

Não bastava a outra mocita que cantava vezes sem fim que aquilo era amor para a vida toda (e que deu numa valente m*rda), eis que que agora vem um doce moçoilo que canta durante três minutos consecutivos "quero-te muito, amo-te tanto, digo-te eu com um ar desajeitado".

Senhores (as) das rádios , por favor: Misericórdia! Não é por mal, eu sei, mas não se faz.

Atenciosamente,  

Cafeína.

 

 

 

29
Set21

Óleo de fígado de bacalhau

Cafeína

A pediatra dos meus miúdos receitou-lhe (num tom obrigatório) óleo de fígado de bacalhau mesmo comigo a dizer devagarinho para ela entender bem: Doutora,  e l e s-c o m e m-u m a-v a c a-p o r-d i a ,  a mãe pesa 48 kg e o pai 61kg. Como esperar que eles aumentem de peso?!

" Mãe, dê-lhes óleo de fígado de bacalhau"

Coitadinhos, coitadinhos, coitadinhos...

 

28
Set21

Nave

Cafeína

Tenho uma nave desde que me lembro de ser gente.

A juntar a esse magnífico adereço tenho uma capacidade incrível de me refugiar naquele vasto céu estrelado a que chamamos Espaço.

Quando me incomodam as conversas, os sítios e certas situações, corro para a minha nave e sumo do Planeta Terra com uma pinta e uma rapidez do caraças. Sei lá, acho preferível desligar a ficha térrea e ir dar uma de astronauta, assim não me chateio e ainda treino o cérebro a filtrar os momentos entre o cá e o lá.

Ultimamente, uso a nave mais que o suposto questionando-me se estarei a ficar rabugenta ou se não tenho mesmo pachorra para aturar tanta parvoeira que oiço mas depois tranquilizo-me quando chego ao fim e sinto que cumpri a minha missão ao fazer alguém feliz por não me ter chateado com ela.

Acreditem que sou uma "pessoa boa onda" mas 0,05% da população esgota-me a energia. 

E ele há colegas de trabalho...vai lá vai!

24
Set21

Maturidade

Cafeína

Quando eu tento falar e explicar o meu ponto de vista mas a pessoa que me deve ouvir não me deixa fazê-lo, remeto-me ao meu silêncio. Sempre tive dificuldade em perceber porque é que alguém passa por cima da conversa do outro. Chateia-me e percebo de imediato que não devo gastar ali a minha energia.

Ontem, houve um "debate" no local de trabalho entre três pessoas mas só uma é que se ouvia porque não dava hipóteses a mais ninguém de falar. Estava eu a observar aquilo e senti que ninguém mais ia ser francamente ouvido. Como eu fazia parte dessas três pessoas, calei-me, levantei-me e retirei-me.

Quando regressei fui surpreendida por um pedido de desculpas do qual não estava á espera e então percebi que o meu silêncio disse por mim o que eu julava ser preciso verbalizar.

 Ficou tudo muito tranquilo e resolvido e senti ter chegado ao auge da minha maturidade.

23
Set21

Conversas no consultório

Cafeína

Cafeína foi ao médico de família mostrar as análises que este lhe havia passado, assim com um raio-x toráxico que ele também lhe havia mandado fazer.

Cafeína entrou e sentou-se enquanto o doutor passava as mãos pelo queixo e resmungava: "estes sistemas informáticos que não ajudam em nada, blá, blá, blá e as auxiliares que não sei onde andam, blá, blá, blá  e a cadeira que está a ficar perra e blá blá blá" 

Sr. doutor olhou para a Cafeína e perguntou: " como se tem sentido?"

- Bem, acho eu "...

Sr. doutor começou a folhear as análises e foi dizendo baixinho: - "shhsbbduwhuiwdokhjfhfhguhuiewjjforkfkksh" e rematou: " está tudo bem, tem um bocadinho de colestrol mas não é grave, não coma fritos" 

Cafeína respirou tranquila mas a sua tranquilidade foi interrompida quando o Sr. doutor lhe perguntou: " tem casos de cancro de intestinos na família?"

- " sim, há casos de cancro nos intestinos na minha família"

Sr. Doutor olhou fixamente  para cafeína e diz num tom que esta não gostou: - "minha querida daqui a uns tempinhos tem um exame para fazer só naquela...de despiste"

Cafeina retirou-se do consultório com a imagem daquele exame no cérebro e foi todo o caminho para o trabalho dizendo baixinho - "shhsbbduwhuiwdokhjfhfhguhuiewjjforkfkksh-o-da-se" 

 

21
Set21

A fase do pum

Cafeína

Eu lembro-me da minha idade do armário. Sim, aquela idade ilusória em que pensamos que somos os donos do mundo e podemos controlar tudo. A fase em que damos umas beijocas, experimentamos dar uma passa no cigarro que nos faz engasgar (eu não fumo e a única vez que tentei fumar achei que tinha que tirar uma formação especifica porque nunca atinei com a cena de "travar o fumo" nas goelas). Aquela idade em que somos lindas, maravilhosas, inigualavéis. Mas essa idade abrangiu o meu ser dos 13 aos 17 anos. Depois cresci.

Ora, tenho dois filhos, um com cinco anos e outro com oito anos. Desde cedo percebi que é uma geração muito á frente da  minha por todas as razões e mais algumas, eu lembro-me que o meu miúdo mais velho começar a ler aos dois anos e a  passar os dedos pela televisão como se fosse um tablet na tentativa de mudar a imagem.

Posto isto, parece que a idade parva ou do armário, seja lá o que for também chega mais cedo nesta geração. O meu miúdo mais velho ri-se a bandeiras despregadas com um "pum" mas atenção que nem sempre é o "pum" (que por norma é ele que se lembra de dar ou o mano que está nem aí para ir à casa de banho entregar o dito cujo). O garoto ri-se com a palavra "pum", com o arrojar de uma cadeira, com o sentar no sofá, o rangir seja daquilo que for que o faça lembrar o som do "pum".

Ontem chegou da escola e lembrou-se que um colega deu um "pum" na sala e a professora ( coitadinha da moça) foi aos arames. O moço estava mal da barriga e então toca de esvaziar a tripa em puns)em plena sala de aula. Isto é uma conversa meio porquita mas ao mesmo tempo natural, só que tive a histótia do "pum" até hoje de manhã pois o puto levantou-se e começou a rir-se por se lembrar do "pum".

Eu acho tão parva esta idade...

20
Set21

Maria Rapaz

Cafeína

Quando era pequena gostava muito de jogar á bola, ver o dragon Ball e andar de bicicleta, recordo que sempre fui Maria Rapaz e acho uma certa piada a isso. Na minha meninice fiz quilometros infinitos na minha "bike" de montanha cizenta com letras amarelas e 18 mudanças das quais só devia usar umas 7 mudanças, vá se lá saber porquê. 

Recordo de procurar caminhos de terra "batida" para fazer aquelas brincadeiras de levantar a roda e as tais "derrapagens" enquanto imaginava ser uma profissional de truques e cenas fixes. Fui várias vezes com o coiro ao chão e esfolei os joelhos outras tantas vezes e nem sequer me queixava em casa para não correr o risco de a minha mãe ralhar e não me deixar sair novamente.

Tudo isto eu recordei ontem, porque levei os meus miúdos a andar de bicicleta e não resisti a alugar uma bicicleta para os poder acompanhar e foi giro pois diverti-me imenso e eles também, só que já não tenho 16 anos, já não faço "derrapagens" e muito menos "cavalinhos" e hoje doem-me as pernas... a mãe está a ficar "cota".

16
Set21

Estou aqui que não me aguento

Cafeína

Hoje é o primeiro dia de escola dos meus filhos.

O meu filho mais novo entrou no 1º ano e fui-lhe dizendo e explicando algumas coisas sobre a escolinha para evitar impacto maior.

Hoje quando o entreguei e ele se meteu na fila com os amiguinhos, olhou para trás com um ar tão perdido que até agora me está a apertar o coração. É a segunda vez que passo por isto e já devia estar calejada mas sinto-me aflita.

Esperei que ele fosse para dentro para me afastar, sei que fiz tudo certinho mas tenho um aperto cá dentro.

O meu filho mais velho já está habituado e foi tranquilo.

Tomara que o dia passe rápido para os ter comigo outra vez.

Coisas de mãe...

 

Pág. 1/2

Mais sobre mim

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2021
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
Em destaque no SAPO Blogs
pub