Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Doce Cafeína

Doce Cafeína

16
Ago21

Por aqui e por ali

Cafeína

Tenho estado mais ausente porque entrei de férias. No entanto, tenho em mim o bichinho da escrita que me impulsiona vir aqui escrever, partilhar, crescer. Têm sido dias de cuidado e descanso. Cuidado porque achei ser altura um check up no que toca á saúde e de descanso porque tem dado para dar umas voltinhas e estar com os miúdos.

Ontem foi dia internacioal do Reiki, um dia especial para todos os praticantes e um dia em que pude fazer as minhas meditações, praticar o auto-tratamento e tentar alinhar-me com o Superior. Fez-me bem. O meu filho mais velho quer iniciar esta prática e eu estou a ponderar deixá-lo experimentar. Se gostar muito bem, se não gostar fica sempre o conhecimento e a experiência. 

O homem cá de casa é cetico no que diz respeito a esta prática mas concorda que o miúdo deve experimentar. Vamos ver como correm as coisas.

 Este mês não é fácil para mim, é o mês que "fecho para balanço" e estabeleço Setembro como o ínicio de um novo ciclo.Tenho feito algumas reflexões e percebido que posso melhorar e evoluir interiormente.

E pronto sapinhos, já sabem eu ando por aqui e por ali mas tenciono vir dar o ar de minha graça mesmo que não seja todos os dias.

 

 

11
Ago21

A criança de cada um

Cafeína

Um dia, estava em conversa com a minha formadora/mestre. Conversávamos sobre o propósito de vida de cada pessoa e a importância de descobrir e fazer dar frutos esse mesmo propósito. Vimos dotados de muitos dons mas há sempre algo que se evidencia mais em cada pessoa.

Fizemos uma reflexão e uma partilha sobre o mistério que é a vida, saber viver, apercebemo-nos que há algo que nos impulsiona, que é fundamental ter a noção daquilo que são também as nossas fragilidades. Creio que estavámos a falar da importância do auto-conhecimento.

A determinada altura ela falou da nossa criança interior, daquela criança que nós fomos um dia e que, muitas vezes, edifica sonhos, medos, ambições, traços da nossa personalidade em adultos. Mandou-nos então fazer um exercício, pediu-nos que fossemos ao encontro da nossa criança mas não daquela que os nossos pais quiseram que nós fossemos, não daquela que involuntáriamente foi "esculpida" pelos gostos dos pais e família, mas sim da verdadeira criança que nós fomos.

Isto deu-me muito que pensar e percebi que desde o ventre materno somos levados a ser modelos starndard, da família, da sociedade, do mundo, enfim...dos outros. E é ciclico, e não pára, é cómodo, é assim porque sim mas é tão injusto, tão negligente, tão doloroso.

E vocês, que pensam disto?

10
Ago21

Feridas

Cafeína

Certa vez, em conversa com uma amiga, disse-lhe que comparo certas feridas da alma a uma situação que vivi:

Fiz o caminho a pé até Fátima por quatro anos consecutivos. Recordo que no primeiro ano fiz imensas bolhas nos pés, que eram diáriamente cosidas com uma linha e agulha por uma senhora muito doce que integrava no grupo de peregrinos. Seriam seis dias a caminhar. No terceiro dia, as dores eram tantas que tive receio de não conseguir e ter que desistir mas a minha força de vontade em chegar era muita que com o passar do tempo eu nem sentia mais as dores de tanta dor que eu tinha. E consegui chegar a Fátima. 

Certas feridas da alma são assim. Doem tanto que de tanto mexer acabam por nao doer mais.

09
Ago21

Sobre a vida

Cafeína

O Universo traz-nos e leva-nos pessoas.

Certas pessoas quando nos são retiradas não damos logo conta. No entanto, há outras que fazem um estrago incrivel ao nos serem retiradas.

A vida tem este mistério: O mundo pulsa, não pára enquanto se está destroçado e impulsiona-nos a seguir com mais ou menos forças. Não é fácil manter sempre a cabeça á tona de água enquanto somos tentados a afogar-nos num turbilhão de emoções que nos assola. Sempre achei que a intensidade das emoções tem o seu lado bom mas também tem todo um lado bem dramático. Somos todos crianças grandes, com choros e emoções escondidas, incompreendidas e quase a roçar no não-suportável. Uma vez disseram-me que o reerguer dói e que é nessa dor que se cresce e posso confirmar que sim, aliás, creio pois, que todos já o podemos confirmar mas na minha opinião ficam cicatrizes permanentes de choros solitários, de abraços cortados, sentimentos não tidos em conta e arrependimentos infundados e extemporaneos.

Hoje acordei a reflectir sobre isto, sabe-se lá o que está para vir.

06
Ago21

Pequenas vitórias

Cafeína

Muitas palminhas para mim que conseguir manter a minha postura de manhã sem me stressar com os miúdos, fazer o caminho para o trabalho sem mentalmente me chatear com o condutor vizinho e cuja cerejinha no topo do bolo foi ter conseguido ir ao wc do trabalho fazer xixi, lavar as mãos e ver-me ao espelho por três segundos sem a luz da casa de banho ganhar vida e se apagar 

 

05
Ago21

Terapias

Cafeína

Já me confessei uma apaixonada pelas terapias alternativas.

Há qualquer coisa que me fascina nessa espécie de mundo entre o misterioso e o inatingivel. Ao longo das minhas buscas interiores tenho experimentado um pouco aqui e um pouco ali e fui dando passos nesta vida de cura interior, nomeadamente a espiritual.

Sou Mestre Reiki, terapeuta da Aura e Regressão. Tenho tido e vivido experiências muito bonitas e enriquecedoras, tenho encontrado respostas e ferramentas que me ajudam a lidar com coisas menos boas do dia a dia.

Em virtude do post anterior, hoje vou partilhar o dia em que me submeti voluntariamente a uma sessão de regressão e me permiti a mergulhar numa vida passada.

Numa das aulas, a Mestre pediu uma voluntária (a turma era constituida por dez mulheres) e eu como sou muito curiosa meti o dedo no ar.  Com um semblante muito carinhoso ela perguntou-me o que eu queria tentar saber ou tratar, ao qual eu respondi e expus a minha necessidade em entender a minha forte ligação com determinada pessoa.

E começámos. Devo dizer que embora num soninho profundo eu estive sempre consciente. E lá fui eu, ao som da sua voz mergulhar no íntimo da minha alma e desvendar códigos secretos mas tão necessários a quem necessita em perceber mais além daquilo que vê. Passei por várias fases e entrei numa das minhas vidas passadas, onde vi e experimentei sentimentos que outrora foram meus mas num outro corpo, num outro país, num ano bem lá longe. Eu vi-me. Reconheci-me naquela figura que nem sequer é do mesmo género com que vim ao mundo. Pois é sapinhos... aqui a cafeína já foi um gaijo rapagão todo giro, pedaço de mau caminho e com uma paixão incrivel e uma história de vida que fez chorar as minhas colegas enquanto assistiam.

Foi muito bom, foi esclarecdor e embora me tivessem remexido na alma, é uma experiência a repetir.

 

03
Ago21

Minha vida noutra vida

Cafeína

Filme de 2000. Quem já viu?

Vi há dias e até hoje tenho presente na minha memória passagens desse filme. Talvez muitos dos leitores(as) já tenham visto.

Trata-se de uma senhora, casada, mãe de um filho e que está grávida, que tem sonhos e lhe são apresentadas imagens, pessoas e trechos de acontecimentos que não lhe são estranhos.

As coisas intensificam-se e ela acaba por ir atrás do que sente, do que vê e do que acredita. Não vou contar aqui o filme todo, vou apenas partilhar o meu sentimento perante este filme.

Sempre me fascinou o mistério, a consciência de saber e sentir que nós somos muito mais que a carcaça bonita ou menos bonita que os outros conseguem ver. Sempre tive presente, acredito pois, que a nossa alma tem um jardim enorme para descobrir, curar e cuidar. Eu sou o tipo de pessoa que acredita que todos estamos neste mundo com um propósito de vida individual mas com um que nos toca a todos: a cura uns dos outros.

Talvez isto não faça sentido para todos(as) vós, mas há algo que faz ser firme nesta convicção. 

Há medida que o filme ia passando, na minha cabeça fazia-se luz sobre a complexidade da nossa estadia neste mundo, enquanto seres do mundo e simultaneamente seres de luz. Sou uma curiosa. Procuro e escarafuncho tudo o que estiver ao meu alcance para entender o porquê da minha presença aqui deste lado do mundo.

Eu não sou doida! Ou talvez o seja, um bocadinho apenas, no entanto acredito que estou a evoluir enquando ser humano e espiritual.

Tenho uma cuirosidade imensa em perceber se minha vida já esteve em outra vida.

Sei que não é um tema pacífico mas esta sou eu e hoje tive vontade de fazer esta partilha e deixar-vos a seguinte pergunta:

Acreditam em vidas passadas?

02
Ago21

Olá Agosto!

Cafeína

Sempre associei o mês de Agosto a uma época agitada para férias. Pessoas entram, pessoas saem. E confesso, que é um mês longo para mim. Associo àquele mês final de fase, final de ciclos porque sempre senti o mês de Setembro como o mês do recomeço, do reinicio, de novos planos e novas fases ( parece estranho, eu sei). 

Irei de férias na segunda quinzena de Agosto, ainda não sei bem para onde, nem como mas irei dar umas voltas por aqui e por ali. Tenho os dois putos em casa e sei que é um tempo que eles apreciam e necessitam da presença dos pais. Ponderei tirar férias em Setembro e daí por diante mas eles são pequeninos e há que aproveitar a sua doce companhia.

Por agora, mantenho-me no escritório a dar o melhor de mim e a sentir lá fora o movimento esquisito ( que de certa forma me tira a paz) . Há coisas que eu só sei sentir e não explicar.

Aguardo serenamente por setembro...

 

Mais sobre mim

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2021
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
Em destaque no SAPO Blogs
pub